domingo, 11 de julho de 2010

Absolutismo

Sangue de nobre
Seduzido por ser, esqueceu se o sou
Folhas de acabado outono, ainda no chão
Navalha cega não enxerga o corte
E os vermes purificadores da carne,esperam
Envaidecido, soberbas gravatas
Brisa invade janela e sopra inverno na sala solidão
Engodos em oratória, bravatas
Fio de língua calada não fere
Féretro vazio em caixa decorada
Agradecida terra cobre.
Sidney Caetano filho