quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Banzo

È saudades do berço da mãe,de seu colo,de seus cheiros,formas e tons.
Saudade de deitar sobre ela,com ela viver amor,lambuzar o corpo com sua lama,
curtir seu cio,engravida la com minha semente melhor,ver nossos frutos crescerem,
senti los nas mãos,nas narinas,na boca.
Amor,quase paixão,sem ciúmes . A dor da distancia,não e´dor de quem fora traído,
é dor de traidor,de quem abandona sem querer,de quem partiu amando,viajou em utopia,
e sonha viajando num retorno que não vem.
É banzo este querer,de deitar com ela outra vez,
ainda que em berço cavado,uma cova,
e saprófita,antes que me finde de vez,sentir parte dela.
Mas nem a cova,que sonhei como leito de amor,terei!..
E morro aos poucos de amor,nos braços de uma outra que não amo,
mas que com carinho me recebeu,e orgânico em breve serei.
Sidney caetano filho

2 comentários:

Lu Nogfer disse...

Nossa!QUE INEBRIANTE,que lindo,QUE FORTE...
To viajando por aqui!rs!!Boa noite!!Durma com anjos!!

Lucimar Simon disse...

Pòr um momento pensei que entraria nessa racionalidade animal dar pensamento aos tais os faz como nos, brutos, insenciveis, egoistas e totalmente sem alma para desperdiçar....
O misto de racionalidade e irracionalidade deixou o texto 100%cheguei a me lembrar do chiqueiro que me deposito quando quero fugir da minha realidade. Saudades....