quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

UM NOME


Amanheceu,um dia especial,tão especial,que a data teria que ter um nome.
Levantei apressado e sai,no caminho o cheiro de um flor,era de um perfume que nunca antes senti,e pensei,tal perfume teria que ter um nome,um pássaro cantava em seu ninho,por analogia a ele me comparei,tal melodia teria um nome?
O barulho dos carros,sirenes e buzinas,em nada incomodava,parecia se mistura ao maravilhoso cantar do pássaro,que ficou quilômetros atrás a cuidar de seu ninho,e como maestro e seu som,com todos os outros barulhos,compunha a mais bela sinfonia,tal música teria de ter um nome.
Tudo que via,era só beleza,tal beleza teria de ter um nome,a chamei de amor,tal amor,também teria de ter um nome,o chamei de filho,e aquele que neste dia,tudo fez parecer maravilhosamente belo,também dei um nome,Áquila.
Sidney Caetano Filho.

Um comentário:

Lu Nogfer disse...

Quanta inspiraçao!Isso é tao lindo!Imagino que tanto quanto o ÁQUILA...abraços